#32 - Como nos desligámos da natureza e da nossa condição de humanos?

Publicado
Comentários Nenhum

“Quando a última árvore tiver caído, quando o último rio tiver secado, quando o último peixe for pescado, vocês vão entender que o dinheiro não se come.”

- Ditado Indio Americano

Tenho reflectido bastante acerca desta questão ultimamente. Na realidade, não tenho nada contra os avanços tecnológicos e todas as “comodidades” que muitas pessoas têm hoje em dia, no entanto, quem usufrui delas ainda é uma parte muito pequena da imensa comunidade planetária. Mas sou completamente contra o balanço desigual entre as vantagens/desvantagens para os seres humanos e o terrível arrombo que estamos a provocar na nossa grande casa – o Planeta Terra e por consequência a todos os seres vivos que a habitam.

Vi recentemente um vídeo de David Suzuki, intitulado “Externalities” (disponível em baixo- é curto tem apenas 4 minutos) e de facto ele consegue alertar para a questão dos pilares da vida humana neste momento assentarem em valores economicistas e quão grave esse facto se está a revelar para nós e para o nosso Planeta. Fiquei com a sensação que o mundo da Economia está a destruir o essencial da vida humana, estes novos “sistemas” não incluem o bem estar do ser humano, do ar que respiramos, da comida/água que ingerimos, dos solos que pisamos. Serão esses sistemas benéficos e adequados à nossa vivência? Seremos nós também considerados “Externalities”? Quem beneficia de tudo isso? Uma percentagem tão pequena da população e tanto sofrimento em massa só para alguns terem mais dinheiro, de que alguma vez necessitarão! Fará realmente sentido?

Os valores economicistas transversalmente assombram e atingem a nossa vida e a do nosso planeta de uma forma avassaladora. É assustador ver governos a tomarem decisões com base nesses valores e não nos direitos das suas pessoas, da protecção do seu ar, dos seus alimentos, das suas terras. E também é igualmente assustador verificar que poucos tenham esta consciência.

Ter consciência do que se está a passar à nossa volta é o primeiro passo, o segundo é agir, fazer pequenas mudanças a nível individual. São estas pequenas mudanças que colectivamente se tornarão grandes mudanças. Já existem algumas pessoas com esta consciência, no entanto é necessário mais gente a fazer mais por este legado, o da nossa sobrevivência neste planeta e pela interligação harmoniosa do ser humano e dos ecossistemas, para uma vivência saudável, justa e igualitária.

Agora que vem aí o Natal, tenha presente: moderar o consumo, reciclando, reutilizando, reduzindo e porque não fazendo os seus presentes, com toda a certeza que vai aquecer muitos corações…

* Veja o video de David Suzuki “Externalities”


“Externalities” from Sustainable Man on Vimeo.

Este mês a nota editorial foi escrita por uma colaboradora da LU, Cláudia Branco.

Autor

Comentários

Não existem actualmente comentarios a este artigo

Comment

Insira o seu comentário abaixo. Campos marcados * são necessários. Deve previsualizar o seu comentário, antes de finalmente o inserir.





← mais velho mais recente →