#16 - O que fazer...???

Publicado
Comentários Nenhum

Porque as políticas dos EUA afetam todo o mundo, expresso este mês a minha opinião sobre as eleições Presidenciais Americanas que se aproximam. Os leitores Portugueses poderão encontrar conforto em saber que alguns Americanos realmente veem para lá dos interesses Americanos. :)

Enfim… o que fazer?

Não sei ainda se vou votar nestas eleições ou não. Não por apatia mas devido a uma profunda desilusão e raiva que sinto por tudo o que está a passar como democracia.

Sempre acreditei que com o direito de voto vem a responsabilidade de realmente ir e preencher o boletim de voto. Como disse Abraham Lincoln, “Governo do povo, pelo povo, para o povo”. Para além disso, estou cada vez mais desapontada com a ilusão de que vivemos numa sociedade democrática. Pelo contrário, acredito que vivemos numa dieta de mentiras fabricadas disfarçadas democracia. E como os pregos do caixão do Império Americano em declínio estão a ser martelados, “ideais democráticos” adocicados estão a ser ainda mais fervorosamente empurrados pelas gargantas da maioria dos Americanos e muitos outros que continuam a encontrar conforto em acreditar que a América (para o melhor ou para o pior) continua a ser a coisa mais parecida com a democracia que o mundo alguma vez conheceu.

Uma ilusão realmente absurda. Basta um olhar para o perpetuamente belicista governo Americano para ver emergir uma imagem completamente diferente. John Pilger resume-o muito bem num artigo recente que li…

Desde a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos:

  1. Tentaram derrubar mais de 50 governos, a maioria deles eleitos democraticamente;
  2. Tentaram eliminar Movimentos Populistas ou Nacionais em 20 países;
  3. Manifestamente interferiram em Eleições Democráticas em, pelo menos, 30 países;
  4. Deitaram bombas sobre pessoas de mais de 30 países;
  5. Tentaram assassinar mais de 50 líderes estrangeiros;

Oh… Não esqueçamos que uma boa parte dos governos democraticamente eleitos que foram derrubados com sucesso, foram substituídos por regimes fascistas com o apoio e suporte Americano… simplesmente porque esses governos serviriam melhor os interesses Americanos. Chamem-me maluca, mas a “democracia” que tenta derrubar outra não parece realmente uma democracia, certo? De facto, como a crise global continua a crescer, medidas mais insidiosas e desesperadas são aplicadas para manter a fachada da democracia.

Coloquei muita esperança no Obama como uma força positiva de mudança. Embora cética quanto à polémica em torno da sua eleição, senti a necessidade de acreditar e assim o fiz, apenas para ficar extremamente desapontada. Basta olhar para algum do seu histórico recente para perceber que as coisas não são como deviam, e não estou a falar de como você e eu somos atingidos pela crise no nosso dia-a-dia. Eu consigo viver com menos em benefício do todo. Ao que me refiro é às violações de direitos humanos, tais como:

  1. O ato de assinatura da autorização da Defesa Nacional, uma lei que dá ao Pentágono a autoridade de deter indefinidamente, interrogar e torturar, suspeitos de “terrorismo” (tanto cidadãos Americanos como estrangeiros) sem julgamento. O que aconteceu à Declaração de Direitos?
  2. Obama lançou mais ataques no Paquistão sozinho, de longe, que o seu antecessor G.W. Bush, que levou a milhares de vítimas civis, muitas delas mulheres e crianças. Lançou também muitos ataques no Iémen e na Somália.

Ainda assim, porque está a América a atacar o Paquistão? Ah sim… para atacar supostos militantes Islâmicos. Muitos argumentariam que criando tal agitação política extrema nesses países, Obama está na realidade a criar um porto seguro para os terroristas. No entanto, mais importante e perigoso que isso, ele está a criar ainda mais desdém pelos EUA a partir do exterior, uma vez que as poucas pessoas que sobram nas aldeias completamente arrasadas por ataques, compreensivelmente se sentem absolutamente marginalizados pela perda da sua dignidade humana. Não saberá o Obama que a maior parte das vítimas do terrorismo são Muçulmanas?

Claro que isto não quer dizer que se fosse votar colocaria o meu voto em Mitt Romney, não o faria. Mas gostaria de esperar que a opção fosse algo mais do que o mal menor.

Oh… o que fazer?

Courtney How, Managing Director

Autor

Comentários

Não existem actualmente comentarios a este artigo

Comment

Insira o seu comentário abaixo. Campos marcados * são necessários. Deve previsualizar o seu comentário, antes de finalmente o inserir.





← mais velho mais recente →